História

S. João da Ribeira

Presume-se que as origens de São João da Ribeira, que autrora se chamava "São João Baptista da Ribeira", remontem à época da Reconquista Cristã. Já existia em 1111, sendo nesta época um lugar de significativa importância, como o comprovam a sua Torre Mourisca e o Castro do Monte de São Gens.

O antigo dono da Quinta do Seabra era o Dr. José Seabra da Silva, Ministro e Ajudante do Marquês de Pombal, natural de Vilela, onde nasceu em 31 de Outubro de 1732. Por intrigas contra ele movidas foi desterrado em 1771 e mais tarde preso nas masmorras do castelo de São João da Foz, no Porto. Proclamada D. Maria I, transferiram-no para o Rio de Janeiro e depois para um presídio de Angola. Em 1788, no tempo de D. João VI volta a ser Ministro, mas em breve, por novas intrigas, volta outra vez a ser violentamente destituído de todos os seus cargos públicos.

Os serviços religiosos desta freguesia estavam dependentes do Convento dos Lóios, de Santarém, até 1834; depois passou a reitoria. No administrativo, S. João da Ribeira foi lugar importante que chegou a ser sede do concelho de Rio Maior, segundo Decreto de 3 de Janeiro de 1847, tendo pertencido anteriormente ao concelho de Santarém.

Ribeira de S. João

A localidade da Ribeira de S.João assenta sobre o antigo leito do rio Maior, que se tornou um complexo aluvial, zona de materiais como areias e cascalheiras provenientes da destruição das rochas e transportadas pelas águas correntes. Esta formação geológica remonta ao período do Paleolítico Médio.

O seu rio, foi uma força motriz dos seus moinhos e azenhas. As terras que hoje são parte integrante da freguesia foram no inicio do século XVI da titularidade de Pedro Álvares Cabral, que com a sua morte em 1520, passaram para a sua viúva D. Isabel de Castro, que veio a falecer em 1538.

No lugar da Ribeira de S. João, nas fazendas da Barreira, apareceu a um homem, quando este andava com o arado no amanho da terra, no lugar onde hoje é venerada, levada a imagem por diversas vezes para a igreja de S. João Batista da Ribeira, não tardou a desaparecer, aparecendo sempre no mesmo local. Daí ter sido erguida a pequena Ermida no século XV.

Esta ermida consta das «memórias paroquiais» de 1758, cujo vigário Carlos José Moura, faz a sua referência, relatando que a ermida estava sob administração do povo. Esta antiga ermida foi elevada à categoria de Igreja Paroquial, aquando da instituição canónica de Ribeira de S. João, em 1985, um ano depois da criação da freguesia.







Hoje
União das freguesias de São João da Ribeira e Ribeira de São João
°